Quarta-feira, 24 de julho de 2024
informe o texto

Notícias Educação

UFMT capacita para heteroidentificação de negros e indígenas

UFMT capacita para heteroidentificação de negros e indígenas

Foto: Divulgação

 

Começou na manhã desta  quinta-feira (16) a quarta edição do Curso de Formação para a Comissão de Heteroidentificação de pessoas negras e indígenas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). A atividade acontece de forma presencial, no Câmpus de Cuiabá, e segue até sexta-feira (17). Dentre os objetivos, a ação visa capacitar servidores, membros da comunidade interna e externa para atuarem nas políticas de ações afirmativas para acesso à Universidade garantindo assim o cumprimento legal e responsabilidade social.

Compondo a mesa de abertura, o reitor da UFMT, professor Evandro Soares da Silva, destacou o protagonismo da Instituição nas questões das cotas sociais e raciais,  e que tem se empenhado para aprimorar essas políticas. “Nesse  contexto da  democratização  de acesso ao ensino superior, foram detectadas fraudes e situações que necessitam de acompanhamento. Para verificar e validar a intencionalidade da lei, a comissão se mostra necessária para coibir e educar para promoção do acesso justo a quem de direito”, disse.

 

O reitor falou ainda que as ações afirmativas, em especial para pessoas negras, se dão com o intuito de reparação histórica e vem no intuito de promoção da ideia anti racista que busca equidade em respeito a toda sociedade. “ Nesse sentido as comissões, baseadas em estudos e com suporte da ciência, são essenciais para verificar aqueles que devem acessar essas políticas, via critérios justos, que balizam toda essa dinâmica”, ressaltou complementando ainda sobre a atuação para ingresso de povos indígenas, destacando diversos formados em graduações e pós-graduação, além do Museu que atua para preservação e memória,  no Câmpus de Cuiabá.

De acordo com Karla Cristina Sousa Oliveira, presidente da Comissão de Heteroidentificação de Candidatos (as) Negros (as)  e Indígenas do Campus Cuiabá e Várzea Grande, a capacitação também reforça o compromisso da Instituição para além de um cumprimento legal. “ Esse quarto encontro para capacitação é uma construção coletiva, feita com apoio de parceiros e sociedade. A importância das políticas de igualdade racial tem relação intrínseca com a ações de letramento racial, tema este que será abordado em uma das mesas de debate”, destacou.

Uma Universidade  e muitas cores

Pesquisadora e docente atuante junto às Comissões de Heteroidentificação da UFMT,  a, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Relações Raciais e Educação (Nepre), professora Cândida Soares da Costa, explica a importância da capacitação. “ A política é composta de acompanhamento, a autodeclaração como parte do processo seletivo, e é necessário o investimento para que tenhamos equipe com pessoas de diferentes setores, com participação da sociedade civil, e que entendam como acontecem as relações raciais no Brasil, compreendam a importância das políticas para ingresso no Ensino Superior”, destacou, complementando a necessidade da aplicação desse conhecimento mais justa e equilibrada e atinja o público a qual está destinada.

Em sua fala, a coordenadora do Coletivo Negro Universitário (CNU) e estudante do curso de graduação em Serviço Social na UFMT, Alice Marqueto, destacou que a heteroidentificação é também uma bandeira do coletivo. “Não se trata de uma mera formalidade legal, mas o processo diz muito sobre lutas, conquistas e histórias de pessoas negras. Buscamos construir não apenas um espaço formativo, mas principalmente de diálogo que busca o combate ao racismo, seja estrutural e/ou  institucional”, ressaltou.

Também participaram da mesa de abertura o Pró-reitor de Gestão de Pessoas, André Baptista Leite, a pró-reitora de Assistência Estudantil, Taciana Mirna Sambrano, e a coordenadora de Desenvolvimento Humano, Jozanes Nunes. Presidentes e membros das comissões de Heteroidentificação dos Câmpus de Sinop e do Araguaia também estiveram presentes, e a cantora Gê Lacerda Guarani Kaiowá Lacerda.

O curso acontece de forma presencial, de forma aberta e gratuita. Mais informações podem ser obtidas via e-mail comissaoheteroidentificacao@ufmt.br.

 
Sitevip Internet