Notícias - Meio Ambiente

Priscila Soares/Assessoria | Postado em 09.09.2019 às 09:00h
Revista Camalote Aterro Sanitário de Mirassol D’Oeste foi inaugurado nesta sexta-feira (06)

Aterro Sanitário de Mirassol D’Oeste foi inaugurado nesta sexta-feira (06)

O município de Mirassol D’Oeste inaugurou nesta sexta-feira (06) o aterro sanitário da cidade, que atenderá também treze municípios vizinhos, proporcionando um enorme ganho ambiental com o fechamento de no mínimo 13 lixões nas cidades da região, que é berço de boa parte das águas que abastece o Pantanal.

As cidades beneficiadas fazem parte do projeto de educação ambiental desenvolvido pelo Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Complexo Nascentes do Pantanal em parceria com a Fundação Nacional de Saúde – FUNASA.


O aterro sanitário é um complexo de tratamento e disposição final de resíduos sólidos domiciliares, do tipo classe II, apropriado para resíduos domésticos e não perigosos. Ele está estruturado com sistema de monitoramento e controle ambiental, célula para resíduos, sistema de tratamento de efluentes, pátio para compostagem de resíduos orgânicos, central de tratamento de resíduos de serviço de saúde, oficina, almoxarifado, guarita e balança de recepção, escritório administrativo e uma ampla e moderna central de triagem de matérias recicláveis com esteira elevada, além de máquinas, caminhões e outros equipamentos.

O aterro consorciado, que já conta com a Licença Ambiental de Operação e iniciará os serviços operacionais no próximo dia 09 de setembro, recebendo inicialmente o lixo dos municípios de Mirassol D’Oeste, São José dos Quatro Marcos, Araputanga, Curvelândia e Indiavaí. Já os municípios de Figueirópolis D’Oeste, Glória D’Oeste, Jauru, Lambari D’Oeste, Porto Esperidião, Reserva do Cabaçal, Rio Branco e Salto do Céu, aguardam autorização e Licença complementar da SEMA/MT, para iniciarem a destinação do lixo ao aterro em Mirassol D’Oeste.


Pensando na sustentabilidade e aumento da vida útil do aterro sanitário, os municípios consorciados estão implantando a coleta seletiva e, com apoio do Consórcio e Funasa, investindo na educação ambiental para a coleta seletiva, com a proposta de segregação dos resíduos na origem em no mínimo duas frações, separando e acondicionando em separado tudo o que é reciclável. A coleta dos recicláveis será realizada pelo caminhão da reciclagem em um dia específico da semana. De forma que a separação dos resíduos na fonte passa a ser política obrigatória na nova gestão de resíduos.

O Consórcio e Municípios consorciados também trabalham um projeto piloto sobre compostagem que reside na segregação dos resíduos em três frações com o reaproveitamento da porção orgânica em adubo natural. O projeto Composta Pantanal é desenvolvido em parceria como Ministério do Meio Ambiente e apoio financeiro do Fundo Sócio Ambiental da CAIXA. As experiências e conhecimentos serão disseminados com o objetivo de reduzir a quantidade de resíduos no aterro.