Notícias - Literatura

Da Assessoria | Postado em 18.10.2016 às 14:32h
Assessoria Escritor lança nesta terça-feira obra inspirada em Mochição pela América do sul

Escritor lança nesta terça-feira obra inspirada em Mochição pela América do sul

Os incas ganham novo sopro de vida em Cuiabá no dia 18 de outubro. É quando o escritor Santiago Santos lança o seu primeiro livro, “Na Eternidade Sempre é Domingo”, no Sesc Arsenal, a partir das 19h. O livro, publicado pela Carlini e Caniato Editorial, foi contemplado no edital 2015 de literatura da Prefeitura de Cuiabá e chega agora às prateleiras da cidade.

“Na Eternidade Sempre é Domingo” traz 20 contos que se entrecruzam para formar uma única narrativa: a de uma escritora que faz um mochilão pela Bolívia e pelo Peru acompanhada de Nipi, um enviado da deusa da Linguagem dos incas, encarregado de contar à viajante histórias esquecidas do seu povo.

Os contos atravessam o reino que se tornaria o maior império da América do Sul, passando pelos anos de cada um dos seus 14 reis em sucessão direta, pela chegada dos espanhóis no continente, pelos reis fantoches instalados pelos conquistadores e pelos últimos monarcas da resistência de Vilcabamba, que foi definitivamente esmagada pelos espanhóis em 1572.

Para retratar com fidelidade essa época, o escritor fez uma pesquisa extensa. “Meu objetivo era retratar o cotidiano desses personagens, revelar seus rituais, suas leis, suas perspectivas. Para isso, utilizei como referência principal o livro Comentarios Reales de los Incas, escrito em 1609 por Garcilaso de la Vega, filho de uma nobre inca e um comandante espanhol, que viveu em Cusco durante sua infância e juventude. Um nativo, ele foi capaz de descrever os costumes do seu povo de um ponto de vista privilegiado, algo que os cronistas estrangeiros não possuíam”.

Cusco, nascedouro dos incas e capital do turismo histórico no Peru, e La Paz, cidade dos morros abundantes e ar rarefeito na Bolívia, são paisagens centrais do livro, assim como cidades menores na rota terrestre que serpenteia pelos dois países. Os contos são precedidos por fotos de personagens, locais ou objetos que tiveram lugar de destaque nas histórias que vêm à tona. Além de navegar pelo terreno aventuresco do relato de viagem (o trajeto é baseado em um mochilão que o autor fez em 2014) e pela ficção histórica, alimentada pelos diálogos de Nipi, Santiago dá sua própria nota de inventividade: um desvio pelo fantástico.

“Todas as histórias seguem a ordem natural dos eventos na época, mas em algum ponto divergem completamente, que foi minha maneira de brincar dentro da mitologia e da história incaica. Não dá pra levar o que se lê ao pé da letra; é sobretudo um livro de ficção”, diz o autor.

Sobre o autor

Santiago, que escreve drops literários no site Flash Fiction (flashfiction.com.br), é veterano na escrita de minicontos, que se limitam a mil palavras. É nesse gênero que se inscreve a maior parte do livro. “São contos de 4 a 6 páginas, que privilegiam a concisão”, comenta Santiago.

Serviço:

Lançamento do livro “Na Eternidade Sempre é Domingo”, de Santiago Santos
Data: Dia 18 de outubro (terça-feira)
Horário: A partir das 19h
Local: Choperia do Sesc Arsenal 
Endereço: Rua 13 de Junho, S/N, Centro Sul)
Valor do livro: R$ 25,00