Notícias - Judiciário

Dani Cunha | Postado em 28.08.2021 às 20:49h
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT Ouvidoria da Mulher: Primeiras-damas destacam importância de canal de atendimento

Ouvidoria da Mulher: Primeiras-damas destacam importância de canal de atendimento

Em briga de marido e mulher é preciso sim meter a colher. Esta frase, ao contrário da popularmente conhecida, demonstra a importância do apoio às vítimas de violência doméstica contra a mulher e principalmente da denúncia, que pode salvar vidas. A Ouvidoria da Mulher do Poder Judiciário de Mato Grosso é um dos canais para formalização de denúncia e pode ser aquela “colher” nos casos de violência contra a mulher, uma ferramenta que está à disposição de toda população.


Este é um instrumento que também fornece informações, promove a escuta ativa, informa quanto a processos de violência doméstica em trâmite na Justiça, recebe sugestões, reclamações, críticas e elogios sobre as atividades do Poder Judiciário relativas ao assunto. Um canal direto e uma alternativa importante para quem está passando por situações de violência.


De acordo com a presidente do TJMT, desembargadora Maria Helena Póvoas, o Judiciário acrescenta aos diversos canais de denúncia já existentes a inovação Ouvidoria da Mulher. “Estamos trabalhando para o enfrentamento da violência doméstica, incentivando a denúncia para que o ciclo da violência seja rompido e haja diminuição de agressões e feminicídios que infelizmente ainda registram números alarmantes. E para isso precisamos oferecer à população meios para prestar apoio, informação às mulheres e inclusive denunciar agressores. A Ouvidoria da Mulher é esse canal direto com as vítimas de violência doméstica e com toda a população”, reafirma a presidente.

As primeiras-damas do Estado, Virginia Mendes e do Município de Cuiabá, Márcia Pinheiro, ressaltam a importância da Ouvidoria da Mulher do Judiciário como mais um serviço fundamental oferecido à sociedade .


“É um avanço termos uma ferramenta assim que veio para somar ao nosso trabalho em defesa das vítimas de violência! Sou uma grande defensora dos nossos direitos e acredito que precisamos de ferramentas como essas, que são acessíveis e ainda oferecem o acolhimento e amparo que as vítimas precisam. Espero que iniciativas como esta estejam cada vez mais presentes e que juntas consigamos diminuir os índices de violência e criar uma sociedade mais justa e igualitária!”, salienta Virginia Mendes.


Para a primeira-dama de Mato Grosso, a Ouvidoria da Mulher é um canal eficiente para denúncias bem como para amparar as vítimas de violência. “Quanto mais ferramentas tivermos à disposição, melhor! Os canais de comunicação facilitam o acesso e acredito que são eficientes para as denúncias, além de facilitar também o encaminhamento às autoridades competentes. Aproveito para agradecer e parabenizar a presidente do Tribunal de Justiça, Maria Helena Póvoas, que tem representado as mulheres de forma ímpar, ocupando um espaço importante e defendendo nossos direitos! Precisamos unir forças, observar as necessidades da nossa população e criar ferramentas como essa que aproximam as pessoas e solucionam suas demandas”, afirma Virginia Mendes.


A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, também reforça a importância da Ouvidoria da Mulher como meio de denúncia para violência doméstica contra a mulher e cita a importância do trabalho em rede para as vítimas. “É extremamente importante ampliarmos os canais de denúncias para que as nossas mulheres se sintam mais seguras e encorajadas a denunciarem seus agressores. Cuiabá hoje tem o Espaço de Acolhimento que atende a mulher vítima de violência com apoio psicológico, social e jurídico e a Ouvidora da Mulher segue essa linha e amplia a rede de atendimento que eleva o nível de comprometimento das instituições com o combate à violência doméstica”, destaca.


Além da relevância de canais de denúncia como a Ouvidoria da Mulher, Márcia Pinheiro afirma que antes de tudo a importância da conscientização da sociedade para questões relacionadas a igualdade de gênero. “Claro que a violência doméstica é uma questão mais profunda, principalmente sob o ponto de vista sociocultural e o combate precisa ser mais concentrado na educação da nova geração, na descaracterização da cultura machista e seus afins. Entretanto, os avanços que esses canais de denúncia apresentam em nossa sociedade vão além de números e redução da violência doméstica, pois abre um precedente enorme para cada vez mais buscarmos a equidade de gênero, o respeito e valorização da mulher em todos os aspectos da nossa sociedade”, conclui.


Serviço - A Ouvidoria da Mulher foi criada em Março deste ano, onde o recebimento de qualquer demanda é tratado de forma adequada e especializada.


Qualquer pessoa pode utilizar a Ouvidoria da Mulher, inclusive para fazer denúncias de agressões verbais e físicas e demais crimes e violação dos direitos da mulher.


Para fazer qualquer manifestação na Ouvidoria da Mulher acesse o site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso: www.tjmt.jus.br , no banner específico, pelo ClickJud preenchendo o formulário eletrônico ou pelo e-mail: ouvidoria@tjmt.jus.br .


Quebre o ciclo – O Poder Judiciário de Mato Grosso lançou este ano a campanha permanente “A vida recomeça quando a violência termina: quebre o ciclo” para o enfrentamento da violência doméstica contra a mulher. A iniciativa da gestão do TJMT para o biênio 2021/2022, presidida pela desembargadora Maria Helena Póvoas tem mobilizado vários órgãos e instituições no intuito de levar informações para mulheres que sofrem qualquer tipo de violência. Materiais produzidos pelo Judiciário estão sendo difundidos pelos parceiros que abraçaram esta ação.