Notícias - Agronegócio

Núcleo de Comunicação e Marketing | Postado em 22.02.2021 às 11:16h
Núcleo de Comunicação e Marketing Relatório Agroeconômico do Centro-Oeste é divulgado

Relatório Agroeconômico do Centro-Oeste é divulgado

Representantes das quatro instituições que compõem a “Aliança Agroeconômica” reuniram-se na quinta-feira (18/02) para divulgar o Relatório Agroeconômico do Centro-Oeste – 4° Trimestre de 2020. Fazem parte da aliança as entidades: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag) e Federação da Agricultura e Pecuária Mato Grosso do Sul (Famasul). Devido às orientações dos órgãos oficiais para a prevenção da Covid-19 a reunião foi virtual.

 

Criada em 2018, a “Aliança Agroeconômica” tem o objetivo de difundir informações ao produtor rural e a todas as organizações ligadas ao setor agropecuário nas tomadas de decisão.

 

O relatório do 4° trimestre traz o balanço das exportações anuais e trimestrais, impactos das chuvas na safra 2020/21, balanço do mercado da pecuária de corte, estatísticas de custo de produção, mercado interno e internacional, entre outros. As análises são voltadas ao Centro-Oeste.

 

Diante de um cenário de pandemia da Covid-19 o agronegócio sustentou as exportações e a manutenção dos empregos no país. A região Centro-Oeste foi responsável por 26,3% das exportações do agronegócio brasileiro no 4° trimestre de 2020, sendo Mato Grosso o estado com maior participação, 16,38%, Goiás com 5,11%, Mato Grosso do Sul 4,75% e Distrito Federal com 0,09%.

 

Em função do atraso das chuvas na região Centro-Oeste, a semeadura da soja foi prejudicada, o que deve refletir na produtividade da cultura e também nas commodities de segunda safra.

 

Na pecuária, durante o 4° trimestre de 2020, foi registrado valor médio de R$ 254,24 na arroba do boi e R$ 244,51 na arroba da vaca, refletindo em uma valorização de 40,6% e 45,3%, respectivamente, quando comparado ao 1° trimestre do mesmo ano e alta de 47,8% e 50,7% quando comparado ao 4° trimestre de 2019 nesta região.

 

Para mais informações acesse o relatório:

http://www.sistemafamato.org.br/portal/arquivos/19022021121404.pdf