Sexta-feira, 1 de março de 2024
informe o texto

Notícias Belezas de Mato Grosso e do Mundo

Documentário projetará turismo no Pantanal mato-grossense para o mundo

Documentário projetará turismo no Pantanal mato-grossense para o mundo

Foto: Mayke Toscano | Secom-MT

“Duas Irmãs - A Marcha das Onças-Pintadas”, documentário apoiado pelo Governo de Mato Grosso, irá projetar o turismo no Pantanal mato-grossense para o mundo. A avaliação é do secretário adjunto de Turismo, Felipe Wellaton.

“O mundo irá conhecer as belezas do Pantanal mato-grossense, um bioma único com uma diversidade de fauna e flora incrível. Após o lançamento, o turismo na região deverá crescer ainda mais, com pessoas do mundo inteiro querendo conhecer de perto as onças, o maior felino das Américas. Isso irá movimentar a economia da região e fortalecer o turismo mato-grossense, que detém a maior concentração de onças do planeta. O Parque Encontro das Águas oferece esse turismo de observação natural, onde é possível ver a ação dos animais, procura que tem crescido em todo mundo”, afirmou o secretário adjunto.


“Duas Irmãs” conta com direção de Lawrence Wahba e Mike Bueno, além de roteiro e supervisão editorial do cineasta francês Emmanuel Priou, vencedor do Oscar por “Marcha dos Pinguins”. A produção tem investimento de R$ 3,5 milhões do Governo do Estado.

O documentário aborda a rotina das onças-pintadas de oito anos Jaju e Âmbar, no Parque Estadual Encontro das Águas, localizado entre Poconé e Barão Melgaço, considerado atualmente o local de maior concentração de onças do mundo. O longa-metragem irá explorar o amor e união entre a família de onças, destacando a luta pela sobrevivência em um ambiente desafiador, onde elas enfrentam emocionantes confrontos com sucuris e jacarés.



Um desses confrontos foi gravado com a onça Marcela em setembro, quando Emmanuel Priou esteve em Mato Grosso para fazer novos registros para o documentário, em Poconé. Durante a visita, Priou destacou que o apoio do Governo de Mato Grosso garante que o documentário seja o “filme mais completo já feito sobre as onças do Pantanal".

Esta foi a segunda vez que o cineasta veio ao Estado e contou que, ao ser procurado por Lawrence Wahba e Mike Bueno para entrar no projeto, se interessou por poder compartilhar com a audiência a beleza da natureza a onças-pintadas do Pantanal.



“Na minha companhia, trabalhamos com documentários, filmes, ficção, música e séries. Há muitas séries diferentes. Neste documentário queremos contar a melhor história possível para as pessoas construírem uma ligação com as onças e a natureza”, explicou.

Diretor do documentário, Lawrence Wahba, destacou na época que o cotidiano das onças do Pantanal mato-grossense é a maior prova de que há muita preservação do bioma.



"Do ponto de vista científico, a onça pintada é predador de topo. Para ela estar em algum lugar, ela precisa que todos os elos da cadeia alimentar estejam saudáveis. O rio precisa estar limpo para ter peixe pro jacaré comer e a onça poder comer o jacaré, a vegetação tem que estar saudável para capivara comer a vegetação e assim por diante. A onça é um indicador de qualidade ambiental. Como a gente está no pedaço do Pantanal que mais tem onça no mundo, eu posso afirmar que a gente tá no pedaço do Pantanal mais preservado", completou.

Mike Bueno explica que a ideia de fazer o filme surgiu quando eles perceberam a oportunidade de não só documentar onças, mas uma família de onças. As filmagens já estão em andamento há três anos e foram cerca de 20 viagens até a Porto Jofre, neste período. Com poucos turistas devido a pandemia, eles conseguiram muitas imagens das irmãs onças. 
 


“Documentamos essas famílias com muita tranquilidade, muitas vezes ficando cinco horas, mostrando essas famílias brincando, cenas de carinho, cenas delas caçando, brigando com a sucuri. A ideia de chamar o Emannuel Priol veio por ser ele um expert e como na Marcha dos Pinguins, criar um filme de emoção como se fosse uma fábula um filme que conta a história de uma família e toda dificuldade que essa família tem para poder sobreviver para criar os filhos, ter cenas de amor, de carinho os desafios para as onças”, relatou Bueno.

A produção deve ser finalizada em 2024. Estão previstas cerca de 12 expedições ao Pantanal com períodos mais longos de até 15 dias com uma equipe bem maior de brasileiros e franceses, e com um sistema de estabilização das câmeras muito sofisticado garantindo mais qualidade das imagens. 

* Com assessoria

 
Sitevip Internet