Artigos

JOÃO EDISOM DE SOUZA | Postado em 20.01.2021 às 19:09h
JOÃO EDISOM DE SOUZA

POLÍTICA ENTRE O ÓDIO E A PAIXÃO

 

Vivemos momentos tensos nas gestões dos países. Muito pelas atitudes do presidente norte americano Donald Trump. Mas ele não é único, não foi o primeiro ou será o último. Por isso é possível desenvolver comparações e traçar linhas de confronto entre as concepções apaixonadas e odiosas de fazer política.

Para William Hazlitt, “uma paixão forte por qualquer objeto assegurará o sucesso, porque o desejo pelo objetivo mostrará os meios”. Já o ódio... Para George Bernard Shaw “o ódio é a vingança do covarde”.

As ideologias de Estado e concepções políticas inventadas e reinventadas durante milhares de anos fazem as pessoas se apaixonarem por suas ideias e defende-las com afinco, umas mais, outras menos, mas dentro da normalidade de tentar conquistar mais adeptos para colocar em prática aquela ideia de organização social e econômica de viver.

Já o ódio não traz nenhuma ideologia de Estado ou concepção política que seja superior a imagem fixa ou palavras de uma pessoa, ditador ou populista idolatrado que cria seguidores e faz com que suas vontades ou loucuras sejam defendidas pelos seus seguidores a qualquer custo. A estes até a dor da injustiça e da morte são significantes. Tudo, absolutamente tudo, vale para defender o que desejam.

Ninguém é bom ou mau pelo que sente, o que é inevitável, mas como reage a tal condição, temperando e dosando suas atitudes e respostas ao interlocutor. A este, o apaixonado, sempre é imposto um aprendizado. O qual não se vê no odioso, pois este, diante do revés, inventa verdades, mente, dissemina seu ódio e, se possível, elimina o oponente. São capazes de matar para terem seus desejos atendidos.

Para compreender melhor estes dois conceitos aplicados à política são necessárias leituras mais profundas, junto principalmente Aristóteles e Platão, para melhor compreensão dos conceitos estoicos e platônicos.

Para tanto, há na ética aristotélica duas recusas: a de declarar guerra às paixões e a de considerar o comportamento passional involuntário. Já quanto aos estoicos e platônicos, eles consideravam a paixão voluntária e, por isso, interpretavam-na, pois é dela que se é causa perfeita.

Interessante, nesse sentido, é a distinção aristotélica entre o passional, origem da ética, e o patológico, origem do diagnóstico médico. Sabe-se quanto essa fronteira muda de acordo com as civilizações e as épocas.

Partindo destas duas premissas, poderíamos afirmar que, na pior das possibilidades, o apaixonado seria um iludido. Mas o odioso é consciente e desejoso de suas maldades, uma vez que é egoísta é só a sua satisfação é importante já que dentro dela contém a dor dos outros e a magnitude de ter levado vantagens, não se importando com as regras. Quanto mais sujo e mentiroso o jogo mais satisfação traz. Por isso não se envergonham com atitudes covardes.

Por isso gestores apaixonados criaram grandes nações, desenvolveram e lideraram países ao desenvolvimento harmonioso, apesar das adversidades e contradições inerentes a própria condição humana, nunca foram unanimidade e quase sempre foram reconhecidos somente pela história.