Artigos

Emanuel Filartiga | Postado em 14.09.2021 às 19:10h
Emanuel Filartiga

Direitos Existenciais Originários

Sim! Nada vive muito tempo, só a terra e as montanhas

A vontade de descaracterizar, reduzir, desfigurar, esbulhar, extinguir os primários e naturais senhores da terra de PindoramaIlha de Vera Cruz e hoje Brasil, é obstinada. Vejam o que resta das gentes indígenas.

Cláudio Villas Bôas, ao tentar “salvar” um dos povos indígenas, disse que há uma coisa deles que morre para sempre assim que a gente encosta.

Já foram denominados e rotulados bárbaros, selvagens, primitivos e subdesenvolvidos. Sofreram muitas formas de supressão física e étnica. Chamados de “entraves ao desenvolvimento”; “atrasados”; “preguiçosos”. Alguns caracterizados como “não índios de verdade”. Foram amputados como sujeitos históricos, sempre vistos como não sujeitos; às vezes como vítimas, por alguns.

Mandu Ladino, Ajuricaba, Nheçu  e muitos outros que a história não escreveu, já que foi escrita por um sólado (“o outro não é considerado para si mesmo. Mal se olha para ele. Olha-se a si mesmo nele”), lutaram contra essa expropriação existencial. Preferiram o arco e a cuia à espingarda e ao prato.

Essa história descaracterizadora do Brasil de antanho, e de hoje, começa com “o descobrimento”. São os “descobridores” que a inauguram … E eles ainda querem mais e mais…mais terras…mais minérios… mais “desenvolvimento”.“Há um vazio no ser humano, grande como a fome”.

E o que vemos hoje são fragmentos, reminiscências de um mundo, muito maior; muito mais complexo e abrangente, provavelmente cobria todo o nosso território. Até onde a vista não alcança, com urucum e jenipapo já pintavam o corpo; a mandioca e o cará já estavam pela terra.

Do que parece dos livros que li, das pessoas que ouvi, do que senti, com o meu corpo todo, não se trata de um dolo direto de extermínio, vontade e consciência de aniquilação dos povos originários e sua cultura. Sim motivos mesquinhos, egoísticos, presentes até hoje. Basta olhar Brasília e suas discussões, todos os outros Estados também, mas mais Brasília por ser o centro das decisões. Mirem e vejam!

Povos e povos, gentes e gentes indígenas desapareceram principalmente por ganância, cobiça e ambição, chamadas também de desenvolvimento, globalização, capitalismo, dentre outros nomes, por alguns (nem ficam vermelhos, os caras pálidas).

Há tempos aconteceu o suposto “descobrimento”, “o encontro do mundo antigo com o novo mundo”. Mas até agora, vistos como estrangeiro na própria terra, tratados como estrangeiros nativos, estranhos semelhantes; o outro não foi encontrado ou descoberto.

Ora amiga leitora! A descoberta e o encontro começam pela “revolução do olhar”. “Ela implica um descentramento radical, uma ruptura com a ideia de que existe um “centro do mundo”, e, correlativamente, uma ampliação do saber e uma mutação de si mesmo.” Como escreveu Roger Bastide em sua Anatomia de André Gide: “Eu sou mil possíveis em mim; mas não posso me resignar a querer apenas um deles”.

A descoberta do outro. A saída de nosso pequeno território, deixar de rejeitar o presumido diferente, é medida que se impõe.

Para os viajantes desse mar imenso, quando descobrirem e encontrarem o outro diferente, deixe de lado as perguntas sempre perguntadas: aqueles que acabaram de ser descobertos pertencem à humanidade? Eles (o outro) têm uma alma? E passamos a nos questionar: eu pertenço à humanidade? Eu tenho uma alma?


*Emanuel Filartiga é promotor de Justiça em Mato Grosso