Artigos

André Maia | Postado em 19.11.2020 às 20:37h
André Maia

Incoerências da Coronel

Neste artigo venho apresentar os argumentos e entendimentos de muitos direitistas sobre a figura política da "Coronel Fernanda" e sua desastrosa campanha eleitoral.

A desconfiança em relação a ela começa por quem a indicou para o presidente Jair Bolsonaro: Victório Galli. O Galli foi denunciado para todo o Estado de Mato Grosso em um caso envolvendo funcionários fantasmas. Na eleição passada, em vídeo, disse que não coligou com partidos de esquerda a pedido do presidente da República. Também disse que estaria bem na chapa de Mauro Mendes, não parece à conduta de um direitista.

A desconfiança aumentou após declarações da então candidata para veículos de comunicação, “onde afirma que estuprador de menores deve receber tratamento psicológico”. Além de absurda, a ideia não tem apoio de um único estudo que dê respaldo. Suas declarações notadamente feministas desnudam sua ideologia.

Outro ponto importante são as pessoas com quem se relaciona. Seu marido pedia votos para o senador Wellington Fagundes, que em 2018 disputou o governo de Mato Grosso, e para uma candidata ao Senado do PC do B. Enquanto trabalhávamos para eleger conservadores, o marido da Coronel pedia votos para a esquerda.

Sua campanha foi baseada na intimidação e menosprezo, seus apoiadores próximos praticaram patrulhamento nas redes sociais, denegrindo a imagem de qualquer um que não apoiava sua candidata, seja eleitor ou candidato. Chamando de traidores, coagindo as pessoas com constrangimento. Se denunciássemos o passado da Coronel, suas amizades e apoios, éramos ameaçados de processo judicial.

Algo curioso é o desprezo que o pessoal da Coronel tem com a lógica. Muitos casos aconteceram de modo semelhante. Por muitos meses depreciaram o nome da dra. Selma Arruda, um dia, para credibilizar o marido da Coronel, mostram um vídeo onde Selma declarava apoio a ele. Passaram a campanha toda tentando destruir a imagem do candidato José Medeiros, diziam que é esquerdista, "cavalo de tróia"....Na reta final da campanha fizeram massiva publicidade do interesse em "unir a direita", pedindo que Medeiros apoiasse a Coronel, mudam de opinião como mudam de roupa.

Sob protestos de seus correligionários de Lucas do Rio Verde, os representantes do partido Patriota daquela cidade, a Coronel fez acordo para apoiar um político tido como comunista e declaradamente opositor ao atual Governo Federal.

Sobre o candidato Reinaldo Morais, tentaram descredibilizar por ser bem sucedido, como se isso fosse desabono de sua trajetória, desprezaram o mérito.

Enganaram o Bolsonaro e parece que ele sente isso. Tanto é que na live onde ele declara seu apoio à Coronel, diz também que há outros "dois bons nomes" concorrendo na disputa para o Senado. Também diz que a apoia porque ela pediu primeiro. Acho que quando o presidente citou "dois nomes", se referia a Reinaldo Morais e José Medeiros. Deixando aberta a ideia de que poderia ser um dos dois recebendo seu apoio, se tivessem "pedido" primeiro.

Mais uma coisa que considero importante é o uso do Fundão Eleitoral, do qual o presidente disse para ninguém usar. Os atuais apoiadores da Coronel estiveram contra a votação que liberou bilhões para o Fundão Eleitoral, mas hoje, fingem não saber que a Coronel está usando sem dó. É o meu e seu dinheiro que ela torrou para se promover.

Muitos já traíram o apoio do presidente Jair Bolsonaro, dessa vez parece que a história se repetiu.

André Maia, eleitor e militante de direita